Muito obrigado pelo acesso!

A maior justificativa para a existência deste, está no fato de que sinto-me impulsionado a escrever e partilhar aquilo que de mais íntimo brota do meu ser. Acredito ser um dom que Deus me deu. Se algum dia este impulso me faltar, faça orações por mim, pois já estarei diante d'Ele.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

O muro

Foto por: Jessé Moreira Lopes





A vida tem me proporcionado certos momentos incríveis que são propícios à reflexão. Por isso, mais uma vez faço uso desse veículo eficaz para partilhar mais um desses momentos.
A casa em que moro possui um muro que por si só não é notável. É mais um muro entre tantos. Algo, porém, o tornou diferente e notável - uma rosa. Sim, uma rosa que está em cima dele! Poeticamente uma roseira que está plantada perto dele, quis singelamente descansar seu galho com uma rosa, apoiando-o sobre o muro. Talvez seja um ato de despedida, pois o muro será derrubado haja vista que um muro novo e reforçado foi reerguido para substituí-lo.

Foto por: Jessé Moreira Lopes





Eis então o objeto de minha reflexão: Estamos nos despedindo deste ano que, de acordo com a retrospectiva de cada um, pode-se chegar à conclusão de que muitas coisas boas aconteceram (permitidas por Deus) e muitas outras coisas que não foram boas ou até mesmo catastróficas infelizmente marcaram nossas vidas (e com certeza não foram da vontade de Deus). O certo é que esses acontecimentos poderiam ser evitados se não houvesse certos muros. A realidade é uma só: o homem deixou de ser feliz por completo a partir do momento em que delimitou áreas e para isso construiu cercas e muros. Não estou referindo-me somente aos grandes muros que historicamente conhecemos (de Berlim, da China...), mas das cercas que entranharam o ser de tal forma que de SER, passou a ser PROPRIEDADE que necessita de armas e meios sujos e mesquinhos para se defender e manter sua existência. Refiro-me às cercas/muros que dificultam o relacionar-se, que como numa viseira só enxerga o outro como possibilidade de pisá-lo, como num degrau, para ser promovido às suas custas e ter mais e mais. Assim sendo,é doloroso, mas é necessário dizer que só teremos um ano melhor se tivermos coragem, ousadia e iniciativa ( pessoal e comunitária)de derrubar alguns MUROS que nos impedem de sermos felizes, a saber:

* O DA POLITICAGEM : que produz a miséria, o desemprego, a desigualdade social... para manter determinada "classe" no poder; com eleições que não significam mudanças reais, mas apenas oportunidade de troca de grupos que continuam a ditar normas de acordo com suas conveniências, para fazerem o que querem; que mantem o povo "ignorante" para fazer valer um poder que ironicamente chamam de "democrático."

* O DA RELIGIÃO : que impede o ecumenismo acontecer de fato, pois cada uma fica na sua, a defender seus próprios interesses; que em nome de ser evangélica, missionária... explora o povo até ao último centavo (fruto do pensamento mercenário de seus pastores, padres ou "lideres religiosos").

* O DA PORNOGRAFIA: que em nome do "amor"dita normas, prega o liberalismo onde tudo é permitido, cujo objetivo é o de escravizar a todos, principalmente os jovens, ao deus "eros", haja vista as inúmeras revistas e os sites a serviço desse modo de persuação.

* O DA IMPUNIDADE: que vergonhosamente nos mostra que roubar, matar, extorquir dinheiro, receber ou pagar propinas...fazem parte do nosso dia a dia e que devemos nos acostumar com tais coisas.

* O DA MISÉRIA: que é fruto da omissão e do ostracismo do muro da politicagem, com "políticas" de paternalismo e assistencialismo que não transformam a vida do povo sem voz e sem vez, mas apenas mantêm o poder nas mãos de uns poucos gananciosos e gulosos.




Foto por: Jessé Moreira Lopes





Diante do acima exposto, soluções posso apresentar: dado a urgência de certos muros virem por terra, surgiro que um único e definitivo muro seja construído: o do AMOR (ágape, comunhão). Este, com certeza, não impedirá a aproximidade das pessoa e nem permitirá a ditadura (até hoje) de uma classe que domina e subjulga o próximo. Ele, sim, imporá limites a tudo que por ventura impedir as pessoas de serem felizes como Deus quer. É utópico? É sonho? Pode até ser, enquanto cada um permanecer no seu mundinho esperando as coisas acontecerem. Fica então aqui um convite que faço citando Francisco de Assis: " Irmãos vamos começar, pois até agora nada fizemos." Como começar? Se a força não for suficiente para derrubar o muro de uma só vez, comprometa-se a cada dia, do ano que está pra se iniciar, a arrancar um tijolo do mesmo (serão 366 tijolos no final do ano), Se parecer uma tarefa muito árdua, cansativa, siga a lição da roseira: use o muro como apoio e floresça apesar de tudo.
Na esperança de que esforços serão feitos e novos rumos serão tomados, DESEJO A TODOS UM CORAJOSO E FELIZ ANO NOVO!

5 comentários:

Anônimo disse...

Realmente.

Daniel disse...

Bela Reflexão

Daniel disse...

Esses muros e essas cercas é que distanciam as pessoas de Deus.

jessé Moreira Lopes disse...

Anônimo,muito obrigado pelo comentário. Feliz ano novo para você!

jessé Moreira Lopes disse...

Daniel, muito obrigado pela sua participação! Valeu irmão! Feliz ano novo!