Muito obrigado pelo acesso!

A maior justificativa para a existência deste, está no fato de que sinto-me impulsionado a escrever e partilhar aquilo que de mais íntimo brota do meu ser. Acredito ser um dom que Deus me deu. Se algum dia este impulso me faltar, faça orações por mim, pois já estarei diante d'Ele.

segunda-feira, 9 de julho de 2018

E ENTÃO O BRASIL GANHOU!

                                    
           Não foi dessa vez que o Brasil conquistou o hexa. Houve muita reclamação, incompreensões e choros. Mas a realidade numa e crua indicava desde antes que, o melhor para o nosso país seria  não ser campeão mesmo. Sem sombras de dúvidas, todos nós ganhamos com isso. É notório que a crise brasileira produz seu reflexo também no futebol. Estamos desestruturados em todos os níveis: na educação, saúde, segurança... nossa realidade econômica, e acima de tudo, a realidade sócio-política, não nos permite a euforia do "já ganhamos." Temos necessidades de conquistarmos condições básicas para termos forças reais para gritarmos juntos e numa só voz  o "já ganhamos." Sendo um ano eleitoral, nossa responsabilidade aumenta ainda mais, pois numa crise de verdadeiras lideranças, iremos às urnas, por exemplo,  para votarmos não no  melhor candidato para a presidência do nosso país, mas infelizmente para escolhermos o menos pior, e isso com um grande agravante: se isso for possível. Portanto, por hora, deixemos de forma consciente a euforia alienante, induzida e passageira de lado e tenhamos coragem de lutar por causas verdadeiras que nos libertarão e nos darão condições plenas para gritarmos por ideais que de fato nos proporcionarão momentos duradouros de felicidades. E quando isso acontecer, teremos sim forças e motivos suficientes para comemorarmos exteriormente qualquer tipo de conquista, pois será a manifestação externa de uma realidade interna que, de modo duradouro, já estaremos vivendo.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

ORAR: UMA MISSÃO

     
      A rosa de hoje, neste dia mundial da gentileza, ofereço à todas pessoas que oram (rezam) por mim ou que de modo particular me pedem orações.
       Considero a oração que faço como uma maneira que tenho de continuar meu sacerdócio ao qual um dia fui instituído. Já participamos do sacerdócio comum em cristo e,  de modo especial, sinto-me grato a Deus por ser um sacerdote instituído, coisa que hierarquia eclesiástica nenhuma pode negá-lo. Portanto, fico muito alegre quando alguém chega para mim e pede que ore em sua intenção ou em uma intenção especial. Deste modo, de forma simples, mas compromissada, exerço meu ministério.
          Sei que o que se faz de bem não precisa ser falado, mas refiro-me  a este apostolado só para dizer, aos (às) leitores(as) deste blog, que podem contar constantemente com minhas orações, pois todos os dias, em simplicidade e humildade, as faço por todos os enfermos (agonizantes e desenganados pelos recursos médicos -  para que jamais se desenganem do amor e da misericórdia de Deus); idosos; pelos que estão  viajando através das águas, ar ou terra (andarilhos/migrantes e imigrantes); pelas famílias; pela paz entre os povos; pelos que são vítimas de catástrofes ou fenômenos naturais; pelos que são vítimas da maldade alheia (guerras, atentados); pelos famintos; pelos sem voz e sem vez (fruto das injustiças sociais); pelos que amamos ou nos amam; pelos que não amamos ainda  o suficiente como deveríamos; pelos que  encontramos durante o dia ou iremos encontrar; por todas as religiões (para que vivam a essência e se baseiem na prática do amor sem medida)... e muitas outras intenções.
            Na esperança de que cada vez mais  tenhamos confiança em dias melhores  (fazendo-nos melhores),  despeço-me desejando a todos PAZ e BEM.